Rede Conecta

Informação e ação cidadã no resgate da democracia

Curso de Formação de Agentes de Combate à Desinformação para Ação Direta

Confira o cronograma

Apresentação do Curso de Formação de Agentes de Combate à Desinformação - Etapas 1 e 2

Em meio a maior crise política institucional da história do país, o Brasil vive um clima de tensão entre os poderes da República e as instituições que compõem a organização do Estado brasileiro. As redes digitais ligadas à extrema-direita no Brasil, assim como a mídia mainstream liberal, vêm utilizando discursos de contestação da ciência, de negação a política e as instituições como forma de estratégia de ação política. A desinformação tem sido considerada uma das grandes preocupações mundiais, por organizações como a OMS. Nos últimos anos, tem sido recorrente uma preocupação no debate público e político sobre temas como “pós-verdade”, “fatos alternativos” e “notícias falsas”, tanto nos meios de comunicação como também nas discussões acadêmicas. Frequentemente associados às disputas sobre a produção de verdade, as chamadas fake news podem ser associadas à contestação da informação como forma de desautorização da veracidade informacional ou ataques geopolíticos no qual a informação tem sido o alvo de conflitos entre potências internacionais.

De forma a combater efetivamente a desinformação e oferecer uma resposta rápida à massificação da informação duvidosa ou falsa, acadêmicos têm se debruçado sobre práticas e métodos que possam auxiliar na construção de mecanismos eficientes para o trabalho de supressão a más práticas comunicacionais. Pesquisas produzidas nas mais variadas áreas do conhecimento têm colaborado para uma maior compreensão dos fenômenos comunicacionais em plena revolução 4.0, oferecendo subsídios para a aplicação de pesquisas e ações junto à sociedade na construção de ferramentas eficientes para contrapor a desinformação. O objetivo da Rede Conecta e Inteligência Artificial e Educação Científica e Midiática e seus parceiros em nível acadêmico, social e institucional, é criar possibilidades de ação conjunta entre a academia e a sociedade, dentro de uma perspectiva de ação direta de vanguarda, promovendo pesquisas aplicadas em colaboração com os mais diversos setores da sociedade.

O objetivo do curso é oferecer embasamento teórico, conceitual e prático para que os alunos tenham capacidade de identificar, através de metodologia específica, determinada informação, desta forma compreendendo por conta própria quais características apresentam e se correspondem ou não ao que é factual. A absorção do conteúdo da ementa será fundamental nesse caminho, pois o aluno terá acesso a introdução à teoria da comunicação, à psicologia social e ao conhecimento sobre desinformação e seus efeitos políticos e sociais, comunicação 4.0 e a métodos de ação política nas redes para o combate à desinformação. O aluno estará apto também a promover ações diretas, como agente, que possibilitem fazer o trabalho de desconstrução e ressignificação da má informação em seus espaços de atuação virtual e físico/geográfico comunitário.

O Curso de Formação de Agentes de Combate à Desinformação será dividido em duas etapas, a primeira teórica conceitual e a segunda destinada a compreensão de métodos e práticas de ação direta para formação de brigadas de combate à desinformação. 

A primeira etapa é composta por três módulos, organizados de forma a possibilitar uma maior imersão dos alunos conforme a sua disponibilidade e interesse. O primeiro módulo é voltado Definições conceituais e desafios contemporâneos no enfrentamento à desinformação no contexto de crise democrática, onde o aluno terá acesso aos conteúdos que vem permeando a pesquisa científica de combate a desinformação, desenvolvida por diversas áreas do conhecimento que se debruçam sobre a problemática da desinformação e suas consequências para a democracia. O segundo módulo se refere às Ferramentas da linguagem e comportamento no contexto de desinformação, com o objetivo de apresentar aos alunos como a linguagem é utilizada como armas semióticas e psicológicas  no campo das disputas sobre a informação. O terceiro módulo da primeira fase do curso é destinada ao conhecimento sobre o ecossistema Midiático e Jornalístico na produção de sentidos no contexto de desinformação, nesse módulo, o agente aprenderá um pouco mais sobre como as tecnologias da informação vem pautando política, econômica e socialmente a sociedade nos mais variados aspectos da vida cotidiana.

O objetivo de oferecer o curso aberto de forma gratuita é promover um maior engajamento junto à comunidade preocupada com os rumos da democracia no Brasil, construindo uma rede de agentes para agir de forma conjunta e metodológica no combate à má prática informacional, aplicando metodologias como forma de incentivar a ação direta através de uma organização institucional e programática. Dessa forma, expandiremos a rede de membros ativos da Rede Conecta e que participaram do curso de formação, através da organização de Brigadas de Combate a Desinformação (BCD), que funcionarão como observatórios, cumprindo o papel de grupo focal, alimentando com dados e metadados nossas pesquisas, desta forma oferecendo-nos subsídios para aperfeiçoar os métodos de combate a desinformação a cada passo do projeto. A formação dos Agentes de Combate à Desinformação (ACD) busca cumprir o papel de vanguarda na ação direta  para o enfrentamento às práticas antidemocráticas que visam a desestabilização das instituições e do Estado de direito no Brasil, se antecipando aos acontecimentos esperados para o ano de 2022 e olhando para o futuro sobre a informação no Brasil e no mundo.

Formato do curso

A primeira fase do curso composto por doze (12) aulas corresponde à primeira etapa do projeto multidisciplinar de formação dos Agentes de Combate à Desinformação (ACD) para ação direta. Nesses módulos o aluno estará apto a identificar problemas na informação, construir o argumento e fazer o contraponto de forma efetiva. Nesta primeira etapa os cursos serão destinados ao público amplo como forma de atingir o maior número de pessoas, com o modelo de curso social em acesso aberto e sem custos para os alunos.

O curso terá duração de três meses, com aulas inaugurais de cada disciplina a cada semana e com aproximadamente quarenta (40) minutos de duração por aula, com início em 04 de março de 2022. A inauguração de cada aula será transmitida ao vivo às sextas-feiras a noite no canal da TV 247 (Youtube), nas plataformas e canais da Rede Conecta e do Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos Institucionais - INCT/InEAC-UFF. Após cada aula, que possuirá em torno de 40 minutos, abriremos uma live para que os alunos e professores possam dialogar sobre o conteúdo apresentado e sanar dúvidas. As lives terão moderação da Rede Conecta e da TV Brasil 247.

O projeto na segunda etapa contempla a formação de Brigadas de Combate à Desinformação com os agentes formados no curso e que tenham o interesse em fazer parte da pesquisa aplicada dentro da concepção de territorialidade digital e analógica da vida cotidiana para a ação direta de combate às más práticas informacionais.. O projeto das brigadas de combate à desinformação tem como objetivo atuar de forma ativa nos espaços onde a desinformação circula, utilizando de ferramenta metodológica aplicada nas formas de ação propostas pelas pesquisas sobre combate à desinformação orientadas pelo conselho científico da Rede Conecta. Será criado observatórios temáticos com o objetivo de orientar e compreender o impacto das ações e sua eficiência, trabalhando com os dados e metadados aplicando em novas experiências metodológicas.   

O módulo dois (02) será aplicado apenas a alunos que queiram fazer parte do projeto de ação direta e grupo focal, através da formação de Brigadas de Combate à Desinformação (BCD) em ação territorial analógica e digital e formação dos observatórios informacionais. As brigadas serão organizadas dentro do ambiente da Plataforma da Rede Conecta, trabalhando em conjunto com os pesquisadores envolvidos no projeto e com nossos parceiros no processo de aperfeiçoamento constante dos métodos e práticas de combate à má informação.

Cronograma

Módulo 1: Definições conceituais e desafios contemporâneos no enfrentamento à desinformação no contexto de crise democrática

AULA 1 - 04/03/2022

Thaiane Moreira De Oliveira / Comunicação - Universidade Federal Fluminense

A desinformação relacionada à ciência tem sido uma das grandes
preocupações atuais e os desafios para enfrentá-la tem se intensificado neste
momento em que o mundo atravessa uma pandemia. A proposta da aula é
problematizar e refletir sobre as formas como a agenda da desinformação
tem sido construída, buscando discutir as ameaças ao sistema democrático.
A aula se desdobra nos seguintes eixos: 1) fatores culturais, políticos e
ideológicos que tornam a desinformação um campo fértil para a dúvida
e a descrença; 2) as medidas de enfrentamento à desinformação e suas
limitações. 3) o processo de descrença institucional propiciada em um
cenário político de contestação epistêmica e o papel da mídia nesta atuação;
4) uma agenda de guerra híbrida instaurada no campo político e jurídico, que
ameaça o sistema democrático atual em nome de um inimigo indefinido: a
desinformação; Por fim, esta aula busca oferecer um panorama amplo sobre
os desafios e dificuldades para o campo da comunicação e informação no
enfrentamento à desinformação relacionada à ciência em um contexto atual
de disputas informacionais, políticas, jurídicas e tecnológicas.

AULA 2 - 11/03/2022

Lênio Streck /Direito Unisinos - UNISINOS

Título: A epistemologia como combate à desinformação.
Resumo do conteúdo - a) A epistemologia não é um palavrão; b)
desinformação e alienação : a relação umbilical; c) há fatos? Ou existem apenas
interpretações? D) as redes sociais como facilitadoras do relativismo; e) há
um direito fundamental aos fatos? F) direito, desinformação e fakes News:
o backlash hermenêutico de cada dia - a necessidade de um “Iluminismo
contemporâneo”

AULA 3 - 18/03/2022

Laura Graziela Gomes / Antropologia - Universidade Federal Fluminense

A vida social da Internet: da "inteligência coletiva" à "cultura do ódio".
A aula apresentará reflexões a respeito da breve biografia cultural da internet (para usos
civis), que hoje possui cerca de 42 anos de existência. De uma tecnologia celebrada como
sendo a coroação de um processo civilizatório - cujas premissas utópicas podem ser
rastreadas desde o Renascimento - ela fez em poucos anos um "desvio de rota" drástico
na direção contrária, ao incorporar totalmente a lógica mercantil e sua ética baseada na
hostilidade.

Módulo 2: Ferramentas da linguagem e comportamento no contexto de desinformação

AULA 4 - 25/03/2022

Guilherme Nery - Comunicação - Universidade Federal Fluminense

A aula visa apresentar para os alunos a análise crítica dos signos e discursos
midiatizados que carregam estratégias ideológicas de desinformação.
Uma das ideias-chave é a de que uma “falsa notícia” (desinformação) é
uma “verdadeira propaganda” – a qual é potencializada tanto pela lógica
algorítmica das redes como pela formação socioafetiva do brasileiro.
Articularemos conceitos da semiótica e da análise do discurso com as
estratégias ideológicas da desinformação midiatizada. O objetivo da aula é
ser parte de um letramento midiático e semiodiscursivo que auxilie os alunos
no reconhecimento das estratégias ideológicas da desinformação.

AULA 5 - 01/04/2022

Wagner de Lara Machado / Psicologia - PUCRS

A disciplina abordará o tema do pensamento crítico, definido pela capacidade
de questionar sistematicamente ideias ou crenças, juntamente com as
bases do pensamento (raciocínio) e método científico. Entende-se que
ambos os processos, pensamento crítico e científico, são complementares
na construção do conhecimento seguro e no combate à desinformação (ou
as fake news). O curso abordará os aspectos desenvolvimentais e sociais de
ambos os processos. Serão apresentados e discutidos os impactos destas
formas de pensamento sobre o bem-estar individual e social.

AULA 6 - 08/04/2022

João Cezar de Castro Rocha / Literatura Comparada - UERJ

O fenômeno político mais importante nas décadas iniciais do século XXI é o avanço transnacional da extrema-direita. Sua arma principal: a guerra cultural, ponta de lança do projeto político de despolitização da polis. Nesta aula, tentaremos entender o fenômeno recorrendo ao conceito de dissolução cognitiva (Leon Festinger) e explicitando as afinidades estruturais entre a dinâmica do universo digital e a visão do mundo da extrema-direita.

Módulo 3: Ecossistema Midiático e Jornalístico na produção de sentidos no contexto de desinformação

AULA 7 - 29/04/2022

Wanderley Anchieta - Comunicação / Universidade Federal Fluminense

Ficção 101 - os mundos pequenos e convincentes das fake news.

A aula apresentará aspectos básicos da teoria narrativa da ficção – como, por exemplo, a de mundo pequeno de Umberto Eco. Então, explicaremos como aliar essa ideia com a criação de uma retórica que torne essa estrutura deficitária e mínima em algo que transpareça, para o público, em absoluta naturalidade e coerência. Para isso esclareceremos o conceito de focalização do narrador, cunhado por Gérard Genette e como tal elemento pode se tornar numa “arma que force” a audiência a se alinhar com um personagem, tornando-se – ao final – convencida de suas motivações a ponto de se esquecer de questionar a existência de outros pontos de vista e/ou outros modos de existência. Assim, será comentado como os mundos pequenos se tornam grandes fake news – mentiras convincentes. E, idem, algumas táticas para ser capaz de reconhecer uma notícia falsa.

AULA 8 - 06/05/2022

Afonso de Albuquerque / Estudo de Mídias - Universidade Federal Fluminense

A aula abordará de maneira crítica o fenômeno do fact-checking, entendido
enquanto instrumento de controle social. Em particular explora as origens,
fontes de financiamento e treinamento dessas agências, seus modelos de
atuação. Igualmente, serão discutidas as relações das agências de factchecking
com mídias tradicionais e alternativas, bem como as plataformas
de mídias sociais. Finalmente, discutiremos a relação entre fact-checking e
democracia.

AULA 9 - 13/05/2022

Mario Vitor Santos - Brasil 247

Como podemos caracterizar fake news? De onde surgiu o conceito de notícia
falsa e o como se implica o jornalismo nesse ponto. Abordaremos, também,
as definições de quando e como as fake news devem ou não ser proibidas.
Analisaremos os conceitos de Verdade (a verdade), é verdade (uma) no
jornalismo. Ainda, como se estruturam os erros de informação e seu manejo
pelos meios de comunicação. Veremos como se organiza a disputa por quem
decide o que são ou não são fake news, e mais a questão das fake news na
política dos EUA e do Brasil. Qual o papel das redes sociais e da justiça na
supressão das fake news. Por fim, analisaremos Fake news, pluralismo e crise
das democracias.

Módulo 4: Tecnologias da informação e comunicação no enfrentamento à desinformação

AULA 10 - 20/05/2022

Sérgio Amadeu - Ciências Políticas - Universidade Federal do ABC

Plataformização e gestão algorítmica
A aula será sobre o chamado processo de plataformização que emerge no
capitalismo digital. Após tratar da evolução do cenário informacional e da
primazia dos modelos de negócios baseados em dados, serão expostos os
elementos da gestão algorítmica e sua vinculação com a doutrina neoliberal.
A disciplina tratará ainda dos riscos que a opacidade algorítmica traz
para a democracia, bem como, indicará uma série de linhas de resistência
tecnopolítica.

AULA 11 - 27/05/2022

Joaquim de Carvalho - Brasil 247

A disciplina decorrerá sobre a importância da investigação responsável nos
processos de produção jornalística, apontando métodos investigativos,
questões éticas e os princípios de produção noticiosa em acordo com a
legislação brasileira de boas práticas comunicacionais. Nas aulas serão
apresentados exemplos da má prática informacional correntes no jornalismo
nacional, tanto o mainstream, quanto o alternativo, assim como estratégias de
identificação de notícias de caráter duvidosos. Será apontada a importância
do jornalismo investigativo independente dentro do cenário e crise política
e institucional no Brasil atual e a importância da participação comunitária na
construção de alternativas para o combate à desinformação.

AULA 12 - 03/06/2022

Marcelo Freitas Montenegro / Farmacologia, Suécia

A aula versará sobre as metodologias de pesquisa na área
da saúde, as regras estabelecidas para publicações e o impacto
de determinadas revistas no cenário científico.
O objetivo é expor ao público os mecanismos de publicação e a importância
de conhecer o cenário como forma de evitar a manipulação das informações
relativas à área biomédica.

AULA 13 - 10/06/2022

Aline Paes - Computação / Universidade Federal Fluminense

A aula abordará aspectos básicos de computação que podem estar
relacionados com o fenômeno de crença em notícias falsas. Para tanto,
a aula abordará como a Internet em geral é organizada, em termos de
atores, conteúdo, ferramentas e máquinas de busca. De forma similar, serão
explicados como funcionam as redes sociais, em termos de informação
disponibilizada e como os algoritmos de priorização de informação podem
formar “bolhas” de conteúdo. Ainda, apontaremos como as ferramentas
computacionais atuais favorecem a criação e disseminação de conteúdos
não verificados e como um usuários em geral e influenciadores de opinião
podem atuar em face dessas ferramentas computacionais. Finalmente,
abordaremos como a comunidade científica de Inteligência Artificial, em
particular, tem se preocupado e se posicionado em relação a questões
éticas envolvendo o desenvolvimento e disseminação de ferramentas
computacionais autônomas para atuar em redes sociais.

Organizadores

Reynaldo Aragon Gonçalves

Diretor Executivo

Gisele Federicce

Diretora Executiva / Brasil 247

Wanderley Anchieta

Diretor Administrativo

Juliana Gagliardi de Araújo

Diretora Acadêmica

Um apelo aos amigos que chegaram até aqui e se interessaram pelo nosso projeto

A Rede Conecta de Inteligência Artificial e Educação Científica e Midiática é composta por uma equipe de pesquisadores, tanto em em seu conselho científico quanto em sua coordenação, que se dedicam de forma voluntária ao projeto. O objetivo é que possamos oferecer sempre de forma aberta e gratuita cursos de formação, material audiovisual, pesquisas acadêmicas e muitos outros conteúdos voltados ao combate a desinformação e a soberania popular sobre a informação. Para que a Rede Conecta possa crescer ampliando sua gama de colaboradores junto a sociedade e para fazer com que nosso trabalho seja realmente efetivo, precisamos de apoio financeiro através de doações para manter nossas operações e fazer o projeto se desenvolver ainda mais. Na aba apoio em nosso site estão as informações de como se tornar um apoiador da Rede Conecta de Inteligência Artificial e Educação Científica e Midiática.

 

Cordialmente,

 

                                                                Reynaldo Aragon Gonçalves

                                                             Diretor Executivo Rede Conecta